Foto: Reprodução

Programa “Roda Viva” desta quarta (12) fala sobre o dia Internacional da Fibromialgia

No dia 12 de maio é o Dia Internacional da Fibromialgia, uma síndrome crônica que causa dor generalizada pelo corpo e sem causa aparente. Dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) apontam que cerca de 5% da população brasileira sofra com essa enfermidade, sendo mais comum entre mulheres de 30 a 55 anos, mas homens, crianças e jovens não estão livres desse mal. As causas exatas que desencadeiam as dores da fibromialgia são desconhecidas, mas acredita-se que eventos traumáticos como infecções graves ou traumas físicos e psicológicos posam ser um fator.

O programa “Roda Viva” desta quarta-feira (12) entrevistou a vice-presidente da Associação Brasileira dos Fibromiálgicos (AbraFibro), Simone Eli Bombardi, que contou mais sobre o que é essa síndrome crônica, diagnóstico e o tratamento. Por falar em diagnóstico, ele deverá feito através de consulta com o especialista que pode ser o reumatologista, médico da dor ou fisiatra, médico capacitado para diagnosticar e tratar doenças que alteram a capacidade funcional do paciente. Somente eles podem diagnosticar corretamente e indicar o melhor tratamento.

Foto: Simone Eli Bombardi, vice-presidente da Associação Brasileira dos Fibromiálgicos (AbraFibro)

O paciente precisa de acompanhamento multidisciplinar para ter uma melhor qualidade de vida, isto inclui uso de medicamentos para controle da dor, atividade física monitorada por um profissional e em alguns casos acompanhamento com psicólogo e psiquiatra. Esses últimos são indicados, pois a fibromialgia tem relação com o estado emocional do paciente.

Simone Eli Bombardi pontuou que stress e problemas da vida cotidiana podem levar quem tem fibromialgia a intensas crises de dor, durando meses para serem controladas. Por não existir ainda uma cura esse tratamento deve ser constante. Em São Luís o Sistema Único de Saúde (SUS) através da Casa da Dor fornece tratamento para aqueles que não têm condições de arcar com os altos custos, mas conseguir uma vaga é penoso. Antes da pandemia de covid-19 o tempo de espera era de dois anos, hoje esse prazo aumentou para três. Para conseguir entrar nessa fila é necessário levar encaminhamento com cartão do SUS.

Sobre a AbraFibro

A Associação Brasileira dos Fibromiálgicos tem como intuito acolher esses pacientes que por vezes não encontram apoio familiar, fornecer informações verídicas, além de auxiliar na busca por políticas públicas que favoreçam os pacientes. Hoje já existem leis que trazem benefícios como fila e estacionamento preferencial uma vez que certas situações causam gatilhos de dor e em Brasília tramita um projeto de lei que visa incluir os fibromiálgicos na lista de pessoas com deficiência.

Principais Sintomas

  1. Fadiga;
  2. Enxaqueca;
  3. Olhos e boca seca;
  4. Dor generalizada pelo corpo que dura mais de três meses;
  5. Sono não reparador e alterações no sono;
  6. Alterações na memória e na concentração;

 

Intagram AbraFibro: https://www.instagram.com/abrafibro/

Grupo de Apoio Maranhão: https://www.instagram.com/gafibromialgiamaran/

Casa da Dor – Maranhão:

Endereço: Rua Barão de Itapari, 282 – Centro, São Luís – MA, 65070-220. Em frente ao Hospital Dutra.

Telefone:(98) 2109-1295

 

Fonte: Agência Educadora – Matéria: Emanuelle Cristina

Sobre Redação Educadora

Verifique também

Junho Vermelho: Campanha incentiva doação de sangue

No mês de conscientização sobre a doação de sangue os apresentadores do programa “Roda Viva” …

Deixe uma resposta