Foto: (Ribamar Carvalho - Reprodução / Arquidiocese de São Luís)

Divulgada a Carta ao Povo de Deus no encerramento da 32ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral

Encerrou na manhã desse domingo, 20/11, com missa de envio presidida por dom Gilberto Pastana, a 32ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral (AAP), momento mais importante no processo de planejamento de uma Arquidiocese, que reuniu 183 delegados, das 10 Foranias que formam a Arquidiocese de São Luís do Maranhão, que refletiram sobre o tema “Comunidades Eclesiais Missionárias”. A 32ª AAP aconteceu na Casa de Retiro Oásis, Anil, de 18 a 20 de novembro, sob a presidência do arcebispo, dom Gilberto Pastana, e da Equipe de Pastoral da Arquidiocese, coordenada pelo padre Jadson Borba, da Ação Evangelizadora Missionária. Além dos participantes, 103 pessoas compuseram a equipe de serviço da 32ª AAP, divididos em 22 serviços, com objetivo de garantir o melhor aproveitamento da Assembleia.

Na programação, além das orações e missas, foram ministradas três formações, correspondentes ao método do VER, JULGAR e AGIR, que serviram de base para os trabalhos em grupo. Na missa final do encontro, celebrou-se também o final do ano litúrgico e início do Ano Vocacional 2023, onde dom Gilberto fez o envio dos participantes às suas respectivas comunidades eclesiais missionárias. Na oportunidade foi divulgada a Carta ao Povo de Deus no encerramento da Assembleia.

As Assembleias Arquidiocesanas de Pastoral acontecem em todo o Brasil, em todas os 19 Regionais da CNBB, nas 278 circunscrições eclesiásticas (dioceses, arquidioceses, eparquia ou exarcados de ritos específicos, e circunscrições sem limite territorial, com a administração apostólica pessoal), geralmente no mês de novembro e dezembro, e têm caráter avaliativo, formativo e de planejamento. Em nível de Maranhão, que possui 12 Dioceses, a Diocese de Imperatriz e a Arquidiocese de São Luís do Maranhão realizaram suas AAP em novembro.

 

Leia a Carta ao Povo de Deus na íntegra:

“Aproximou-se dele e cuidou de suas feridas” (Lc 10, 34).

Caríssimos/as, irmãos e irmãs! Saudações de Graça e Paz da parte do Cristo ressuscitado!

Nós, cristãos, arcebispo, presbíteros, diáconos permanentes, religiosos e religiosas, seminaristas, leigos e leigas, reunidos na XXXII Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, na Casa de Retiro Oásis, no período de 18 a 20 de novembro de 2022, queremos expressar nossa alegria e esperança nessa retomada do plano de pastoral interrompido em 2020 e 2021, em virtude da pandemia da Covid-19. Louvamos a Deus por este momento fecundo, expressão da sinodalidade de nossa Igreja, que existe para ajudar as pessoas a assumirem em suas vidas os valores do Evangelho.

Refletindo sobre a Comunidade Eclesial Missionária, primeiro e fundamental núcleo eclesial (Cf. Medellin 15,10), com seus quatro pilares (Pão, Palavra, Caridade e Missão), retomamos as decisões da Assembleia de Pastoral de 2019, bem como a síntese da escuta sinodal realizada entre 2021 e 2022, em todas as paróquias de nossa Arquidiocese. Esse ponto de partida faz-se importante nesse processo de avaliação da nossa caminhada eclesial, uma vez que nos ajuda a perceber as nossas forças e fraquezas como comunidade de fé, os novos desafios que nos são apresentados e, diante disso, buscar luzes a partir do Evangelho para dar respostas eficazes aos nossos tempos.

Como Igreja, temos consciência de que nossa missão é permanente, sempre em atitude de saída às periferias eclesiais, sociais e existenciais. A ação evangelizadora tem como finalidade a transformação da pessoa e da sociedade e exige três condições imprescindíveis: diálogo, que supõe reflexão coletiva; participação, para a comunhão, igualdade e solidariedade; e casa/comunidade, onde se dá a partilha das experiências da vida.

Na certeza de que caminhamos acompanhados pelo Cristo ressuscitado, o qual nos ajuda a ler e a escutar a realidade, retomemos nossos trabalhos pastorais desafiados a estar ao lado de todos os irmãos e irmãs, sobretudo, daqueles que são fustigados por diversos tipos de sofrimento. Nessa situação, não podemos esquecer as famílias enlutadas em virtude de terem perdido seus entes queridos, vítimas da pandemia da Covid-19. De modo particular, aqui fazemos memória dos padres José Bráulio Ayres e João Dias Rezende, do diácono permanente Afonso José Bezerra, do sr. Edmilson Barbosa (coordenador do Terço dos Homens), em nome dos quais, nos solidarizamos com todos. É importante também que não fechemos nossos olhos para a situação desesperadora dos que estão desempregados e passam fome e encorajemos aqueles que perderam a esperança e o sentido da vida.

Para nós da Arquidiocese de São Luís, essa Assembleia é motivo de ânimo e de estímulo às nossas comunidades eclesiais. Esperamos que todas as decisões tomadas aqui, que exigem nosso compromisso, sejam de fato concretizadas na ação evangelizadora desenvolvida em nossas paróquias, a fim de que haja crescimento de todos. Roguemos a Deus nosso Pai misericordioso que nos ajude a ficar sempre ao lado dos que se empenham em defesa da vida, que lutam contra todo tipo de discriminação e intolerância, que colaboram na construção da paz e da justiça, como pressupostos para a existência de um mundo mais fraterno e cheio de amor onde todos tenham vida em abundância (Cf. Jo 10,10) rumo ao Reino definitivo.

 

Peçamos a intercessão de Maria, mãe de Jesus e da Igreja, discípula missionária, que nos acompanhe nessa caminhada.

São Luís, 20 de novembro de 2022.

 

Dom Gilberto Pastana de Oliveira

Arcebispo de São Luís do Maranhão

Fonte: (Rádio Educadora do Maranhão / Arquidiocese de São Luís)

Sobre Redação Educadora

Verifique também

A oração do Papa pelos gaúchos

Papa recorda durante o Regina Caeli o drama vivido pela população do Rio Grande do …

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x