quarta-feira , 12 maio 2021

Papa Francisco enaltece coragem de Jornalistas em mensagem do 55º dia Mundial das Comunicações

Divulgada no último sábado,23 a mensagem do Papa Francisco sobre o 55° dia Mundial das Comunicações, nas vésperas da memória de São Francisco de Sales.
Na íntegra, o texto trata de temas da atualidade e convida todos os comunicadores a continuar gastando suas vidas em prol do reino, e faz elogio a coragem dos jornalistas.
Confira a mensagem 
Fonte: Pascom Brasil
Aos jornalistas o pontífice direciona parte da mensagem:
 
Agradecimento pela coragem de muitos jornalistas
 
O próprio jornalismo, como exposição da realidade, requer a capacidade de ir aonde mais ninguém vai: mover-se com desejo de ver. Uma curiosidade, uma abertura, uma paixão. Temos que agradecer à coragem e determinação de tantos profissionais (jornalistas, operadores de câmeras, editores, cineastas que trabalham muitas vezes sob grandes riscos), se hoje conhecemos, por exemplo, a difícil condição das minorias perseguidas em várias partes do mundo, se muitos abusos e injustiças contra os pobres e contra a criação foram denunciados, se muitas guerras esquecidas foram noticiadas. Seria uma perda não só para a informação, mas também para toda a sociedade e para a democracia, se faltassem estas vozes: um empobrecimento para a nossa humanidade.
 
Numerosas realidades do planeta – e mais ainda neste tempo de pandemia – dirigem ao mundo da comunicação um convite a “ir e ver”. Há o risco de narrar a pandemia ou qualquer outra crise só com os olhos do mundo mais rico, de manter uma “dupla contabilidade”. Por exemplo, na questão das vacinas e dos cuidados médicos em geral, pensemos no risco de exclusão que correm as pessoas mais indigentes. Quem nos contará a expetativa de cura nas aldeias mais pobres da Ásia, América Latina e África? Deste modo as diferenças sociais e económicas a nível planetário correm o risco de marcar a ordem da distribuição das vacinas anti-Covid, com os pobres sempre em último lugar; e o direito à saúde para todos, afirmado em linha de princípio, acaba esvaziado da sua valência real. Mas, também no mundo dos mais afortunados, permanece oculto em grande parte o drama social das famílias decaídas rapidamente na pobreza: causam impressão, mas sem merecer grande espaço nas notícias, as pessoas que, vencendo a vergonha, fazem a fila à porta dos centros da Cáritas para receber uma ração de víveres.
 

Sobre Redação Educadora

Verifique também

Eleição de Bento XVI completou 16 anos nesta segunda-feira

Depois da morte de João Paulo II, no dia 19 de abril de 2005 foi …

Deixe uma resposta