terça-feira , 1 dezembro 2020

A missão das famílias na Igreja e no mundo

images (5)

Descubra por que a família é uma instituição de suma importância para a Igreja e para o mundo atual.

A celebração da Solenidade da Sagrada Família no Tempo do Natal nos ajuda a compreender a importantíssima missão da família na Igreja e no mundo. O Filho de Deus veio ao mundo na Sagrada Família de Nazaré para nos revelar a singular missão da família no desígnio de Deus para a salvação da humanidade. Como parte deste projeto, a Santíssima Trindade escolheu a família como lugar para manifestar o Seu amor por nós. Ao mesmo tempo, a família é o lugar privilegiado para corresponder ao amor que Deus manifestou a nós em Jesus Cristo, no amor à família, aos pais, aos irmãos, aos filhos, aos avós. Desde o princípio do cristianismo, a família já era uma verdadeira igreja doméstica, onde os cristãos tinham um lugar privilegiado para o encontro com Deus. Ao mesmo tempo, a família já era também um lugar propício para, em Cristo, encontrar com os familiares, mas também irmãos e amigos na fé, para o enriquecimento mútuo, através da comunhão, da partilha e da vivência autêntica da fé. A família já era também, desde tempos remotos, um lugar de refúgio contra as perseguições do mundo, contra as maldades e ciladas de Satanás e contra o “espírito do mundo1, que se opõe ao Espírito de Deus.

A família como lugar da manifestação do Amor

Deus, que é Amor2, veio ao mundo na Sagrada Família, para fazer da família um “lugar particular do amor”3. A comunhão de amor entre Deus e os homens, conteúdo fundamental da Revelação e da experiência da fé de Israel, encontra uma sua significativa expressão na aliança nupcial, que que se realiza entre o homem e a mulher. Este vínculo de amor entre os esposos torna-se a imagem e o símbolo da Aliança que une Deus e o seu povo4. No entanto, “a comunhão entre Deus e os homens encontra o seu definitivo cumprimento em Jesus Cristo, o Esposo que ama e se doa como Salvador da humanidade, unindo-a a Si como seu corpo”5. A revelação da verdade do “princípio” a respeito do Matrimônio, que liberta o homem da dureza do seu coração6, chega à sua definitiva plenitude no dom do amor que o Verbo de Deus faz à humanidade, assumindo a natureza humana, e no sacrifício que Jesus Cristo faz de si mesmo sobre o altar da cruz, pela sua Esposa, a Igreja. Da mesma forma, os esposos devem amar as suas mulheres como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela7. Os esposos são um para o outro, e para os filhos, testemunhas da salvação realizada por Cristo na Cruz, da qual o sacramento do Matrimônio os faz participantes. “Deste acontecimento de salvação, o Matrimônio como cada sacramento, é memorial, atualização e profecia: ‘Enquanto memorial, o sacramento dá-lhes a graça e o dever de recordar as grandes obras de Deus e de as testemunhar aos filhos; enquanto atualização, dá-lhes a graça e o dever de realizar no presente, um para com o outro e para com os filhos, as exigências de um amor que perdoa e que redime; enquanto profecia dá-lhes a graça e o dever de viver e de testemunhar a esperança do futuro encontro com Cristo’”8 , no Reino dos Céus.

Quanto à fecundidade do amor conjugal, esta “alarga-se e enriquece-se com todos aqueles frutos da vida moral, espiritual e sobrenatural que o pai e a mãe são chamados a doar aos filhos e, através dos filhos, à Igreja e ao mundo”9. A este respeito, a Palavra de Deus nos ajuda a compreender como deve ser o relacionamento familiar entre os cristãos: “As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador. Ora, assim como a Igreja é submissa a Cristo, assim também o sejam em tudo as mulheres a seus maridos. Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, […] Assim os maridos devem amar as suas mulheres, como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. […] Filhos, obedecei a vossos pais segundo o Senhor; porque isto é justo. O primeiro mandamento acompanhado de uma promessa é: Honra teu pai e tua mãe, para que sejas feliz e tenhas longa vida sobre a terra10. Pais, não exaspereis [não faças perder a esperança os] vossos filhos. Pelo contrário, criai-os na educação e doutrina do Senhor.”11. A este respeito, deu testemunho o próprio Filho de Deus que, depois de ser encontrado no Templo entre os doutores da lei, voltou para casa com a Virgem Maria e São José: “desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso”12. Em vista disso, se o Verbo de Deus feito homem foi submisso a seus pais durante sua vida terrena, com muito mais razão devemos ser submissos, em primeiro lugar a Deus e a Igreja, mas também as esposas aos seus esposos e os filhos aos seus pais, como nos ensina São Paulo. Por sua vez, os esposos devem amar suas esposas como Cristo amou sua Igreja, ou seja, entregando a suas vidas por amor a elas13, numa doação total por amor. Estes são ensinamentos preciosíssimos, principalmente em nossos dias, nos quais quer se estabelecer uma igualdade absoluta entre homem e mulher, entre pais e filhos. É verdade que todos temos a mesma dignidade diante de Deus, independente do sexo ou do nosso lugar na família, pois somos todos filhos de Deus. No entanto, o esposo, o pai de família, tem sua dignidade própria e deve ser respeitado como tal pela esposa e pelos filhos. Da mesma forma a esposa, a mãe de família, que deve ser amada e respeitada, pelo esposo e pelos filhos. Por sua vez, os filhos devem amar, honrar e respeitar os pais, e estes devem respeitar, amar e educar seus filhos, no Senhor.

Fonte: http://blog.cancaonova.com/tododemaria/a-missao-das-familias-na-igreja-e-no-mundo/

Sobre Rádio Educadora

Verifique também

Comissão da CNBB emite nota sobre o Dia Mundial da Água

A nota recorda que a água, como direito humano, deve ser assegurada de forma universal …

Deixe uma resposta