Foto: (Reprodução / Agência Brasil)

Brasil assume presidência do Conselho de Segurança da ONU em julho

Neste mês de julho, o Brasil ocupa a presidência do Conselho de Segurança da ONU. Esta é a 11ª passagem do país pelo órgão desde a criação da organização. O Brasil assumiu um assento rotativo, em janeiro, com um mandato para o biênio 2022-2023.

O embaixador do Brasil na ONU, Ronaldo Costa Filho, falou à ONU News sobre as expectativas para a presidência brasileira.

Paz e segurança

“Um dos pontos que priorizaremos em nossa presidência é a comunicação estratégica em operações de manutenção da paz, com o intuito de melhor engajar-se com a população local em cada missão da ONU, sempre com respeito aos direitos humanos e combatendo a violência, inclusive sexual”

O representante do Brasil nas Nações Unidas também contou que o país deverá organizar um debate temático sobre menores em conflito.

“Também promoveremos um debate sobre crianças e conflitos armados, dedicado à análise do mais recente relatório anual do Secretário-Geral sobre o tema, abordando tópicos como o recrutamento de crianças-soldado e o ataque à escola e a educação no mundo.”

Eficiência do Conselho de Segurança

A situação na Ucrânia tem reunido os membros do Conselho de Segurança com frequência para debater os desdobramentos do conflito. Em abril, o representante brasileiro na ONU avaliou o órgão como “inoperante” para alcançar soluções negociadas e acabar com a violência. Na ocasião, Costa Filho adicionou que o Brasil sente “angústia e frustração” pela situação, especialmente pelo sofrimento humano. Assim, ao assumir a presidência em julho, o embaixador afirmou que dará atenção ao equilíbrio entre transparência e eficiência. E na presidência, o diplomata pretende buscar soluções.

“Uma das funções mais delicadas da presidência, a qual daremos a maior atenção, é cuidar do delicado equilíbrio entre transparência e eficiência. Por um lado, é necessário prestar contas para o público em geral e para os países não representados no Conselho. Por outro, a discrição muitas vezes é necessária para viabilizar um diálogo franco, voltado à busca de soluções, e não a relações públicas”.

Reforçando o que disse à ONU News quando assumiu a chefia da Missão da ONU, o Brasil afirma estar comprometido com a agenda da igualdade de gênero. Segundo o embaixador, o país deve incluir representantes mulheres nas discussões “sempre que possível”.

Bicentenário da Independência

Com a comemoração do bicentenário da independência do Brasil celebrada em 7 de setembro, Ronaldo Costa Filho espera que a presidência também contribua para “mostrar um pouco mais do Brasil e da cultura brasileira para o mundo”

Este mês, Missão promove uma exposição sobre Rui Barbosa na sede da ONU em Nova Iorque. O embaixador ainda citou que o Brasil pode colaborar para “a busca comum entre membros do Conselho pela paz e a segurança”, afirmando que o país possui uma “posição singular” por suas dimensões continentais e seus mais de 150 anos de convivência pacífica com seus vizinhos.

 

Fonte: (Rádio Educadora do Maranhão / Agência Brasil)

Sobre Redação Educadora

Verifique também

CPI do acidente da Chapecoense aprova relatório final

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o acidente de avião envolvendo o time de …

Deixe um comentário