terça-feira , 1 dezembro 2020

Supere os momentos de tribulações

 

Não pare em sua aflição, mas se derrame na presença do Senhor

“Vigia esperando a aurora, qual noiva esperando o amor, é assim que o servo espera a vinda do seu Senhor”. (1Sam 1,13s) É assim que temos que ser.

E este tinha duas mulheres: o nome de uma era Ana, e o da outra Penina. E Penina tinha filhos, porém Ana não os tinha.

Subia, pois, este homem, da sua cidade, de ano em ano, a adorar e a sacrificar ao Senhor dos Exércitos em Siló; e estavam ali os sacerdotes do Senhor, Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli.
E sucedeu que no dia em que Elcana sacrificava, dava ele porções a Penina, sua mulher, e a todos os seus filhos, e a todas as suas filhas.
Porém a Ana dava uma parte excelente; porque amava a Ana, embora o Senhor lhe tivesse cerrado a madre.

E a sua rival excessivamente a provocava, para a irritar; porque o Senhor lhe tinha cerrado a madre.
E assim fazia ele de ano em ano. Sempre que Ana subia à casa do Senhor, a outra a irritava; por isso chorava, e não comia.
Então Elcana, seu marido, lhe disse: Ana, por que choras? E por que não comes? E por que está mal o teu coração? Não te sou eu melhor do que dez filhos?
Então Ana se levantou, depois que comeram e beberam em Siló; e Eli, sacerdote, estava assentado numa cadeira, junto a um pilar do templo do Senhor.
Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente.
E fez um voto, dizendo: Senhor dos Exércitos! Se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres, mas à tua serva deres um filho homem, ao Senhor o darei todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.
E sucedeu que, perseverando ela em orar perante o Senhor, Eli observou a sua boca.”
1 Samuel 1:2-12

No momento de aflição o que fazer?

Toda mulher judia queria muito ser mãe e Ana era estéril. Ela clamou a Deus para que Ele a concedesse um filho. Hoje, de maneira especial, Deus quer falar a todas as mulheres que estão como Ana, aflitas. A toda mãe, toda esposa.

“Eu derramo minha alma diante do Senhor”.

Minha irmã, não sei qual é o seu sofrimento; se é o casamento ou seu do filho, não sei a razão da sua dor. Grandes são as causas, por isso faça como Ana: “derrame sua alma diante do Senhor”. O Senhor é incapaz de ver uma mulher de coração aflito e não ouvir sua oração.

Entregue a Deus o seu problema

Fazemos tantas coisas, mas não derramamos nossa alma diante do Senhor – digo isso para você homem também.

A vida nos ensina a fazer o contrário, nos ensina a encher a cara e a não “derramar a alma diante do Senhor”. Saiba que o Sacramento do Matrimônio é uma consagração, assim como nós sacerdotes nos consagramos a Deus.

“Tudo o que ligares na terra será ligado céu”. Peça a Deus do jeito de Ana que ficou o dia inteirinho clamando ao Senhor. Faça isso!

Nós estamos perdemos nossa família porque não estamos derramando nossa alma diante do Senhor. Estamos perdendo as nossas Igrejas, porque nós, padres, não estamos derramando nossa alma diante de Deus. Não pare em sua aflição, mas se derrame na presença do Senhor!

“O Senhor é incapaz de ouvir um homem, uma mulher de coração aflito e não ouvir sua oração”.

Fonte: http://padrejonas.cancaonova.com/informativos/artigos/supere-os-momentos-de-tribulacoes/

Sobre Rádio Educadora

Verifique também

Comissão da CNBB emite nota sobre o Dia Mundial da Água

A nota recorda que a água, como direito humano, deve ser assegurada de forma universal …

Deixe uma resposta