Campanha contra a gripe movimenta postos de saúde em São Luís

Campanha contra a gripe movimenta postos de saúde em São Luís

Foto: Divulgação

No primeiro dia da campanha nacional de vacinação contra a influenza (gripe), os postos de vacinação da  rede municipal de São Luís registraram grande movimentação de pessoas interessadas em tomar a vacina. A Prefeitura  disponibilizou todas as unidades de saúde da capital, para a campanha iniciada nesta segunda-feira (23). A meta da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) é vacinar 236.457 pessoas pertencentes aos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. A campanha se estenderá até o dia 1º de junho, sendo que o ‘Dia D’ da mobilização nacional será realizado no dia 12 de maio, visando reforçar a adesão à campanha.

Entre o público específico da campanha estão idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos; gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores da área da saúde; professores das escolas públicas e privadas; povos indígenas; portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; população privada de liberdade, jovens cumprindo medidas socioeducativas e funcionários do sistema prisional.

Uma das unidades de saúde do município que teve uma procura grande pela vacina foi o Centro de Saúde Paulo Ramos, no Centro da cidade, onde a procura iniciou desde as primeiras horas da manhã. A Semus orienta as pessoas a levarem o cartão de vacina aos postos e, no caso de pacientes com doenças crônicas, é necessário apresentar comprovação, bem como professores e profissionais da saúde precisam apresentar identificação que atuam na área.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina contra gripe é segura e tem eficácia de seis a 12 meses. A dose reduz as complicações que podem gerar casos mais graves da doença, internações ou até mesmo óbitos. Informa ainda que a vacina disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é trivalente, pois protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano, no Hemisfério Sul, de acordo a Organização Mundial da Saúde (OMS): o A/H1N1; A/H3N2 e influenza B.

TRANSMISSÃO

A transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). O Ministério da Saúde orienta à população em geral, a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

Ainda conforme o Ministério da Saúde, a vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

Após a aplicação da vacina podem ocorrer, de forma rara, dor, vermelhidão e endurecimento no local da injeção. São manifestações consideradas benignas, cujos efeitos costumam passar em 48 horas.

Com informações da assessoria.