Nesta quarta-feira (16), o programa “Roda Viva” recebeu Lanny Bedassi, produtora do Jornal do Maranhão

A pauta da entrevista foi sobre a edição do JM deste mês, que teve como sua matéria de destaque a desigualdade social brasileira, que infelizmente tem uma barreira natural de acesso à educação. Durante a pandemia de Covid-19, ficou claro que as pessoas com maior dificuldade de enfrentar o Coronavírus são aquelas que já faziam parte das camadas mais vulneráveis da sociedade.

Questionada sobre a matéria principal pelo Padre Gutemberg Feitosa, jornalista e diretor geral do JM, Lanny Bedassi falou que escrever sobre a desigualdade social brasileira foi muito triste, pelo motivo da educação brasileira beneficiar de forma imensa as classes de maior poder aquisitivo, ou seja, a maioria dos alunos que estudam no ensino superior vem de escolas privadas, que dão todas as condições para o aluno encarar um vestibular. Já as classes baixas que vem do ensino público, infelizmente tem mais dificuldade de entrar no ensino superior, por na maioria das vezes não ter condições de qualidade nas escolas públicas.

A produção do JM conversou com Raimundo José da Silva Leite, 27 anos, mais conhecido como Raimundo Quilombo. Ele foi o primeiro quilombola do Território Rampa a ser aprovado no ensino superior público, e atualmente está no 7º período de Licenciatura em Geografia (UEMA) na modalidade EaD. Ele disse a equipe de produção do Jornal do Maranhão “Até hoje lembro da mistura de alegria e emoção quando soube da sua provação na Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Ele disse que entrar para o ensino superior foi muito impactante de forma positiva na sua vida. E hoje ele é uma das inspirações para as outras pessoas que tem imensa dificuldade de acesso a educação de qualidade.

Em um trecho do Jornal do Maranhão, podemos ter a informação que as políticas públicas envolvem tanto o rico quanto o pobre, pois está relacionada ao problema que o Estado deseja solucionar e existem basicamente dois tipos: uma é a política de governo, a outra, de Estado. A primeira tem certa alternância de poder e geralmente se altera com o novo governante, ou seja, não tem continuidade e pode ser alterada com certa facilidade. Existe uma característica no país em ter dificuldade em manter estas políticas ao longo do tempo. Uma política de financiamento de bolsas estudantis, por exemplo, pode sofrer alterações na mudança de governo e isto pode dificultar o acesso à educação.

Na entrevista Lanny Bedassi foi perguntada sobre o Arcebispo Dom José Delgado, que foi homenageado no JM. Ela falou que ele foi uma pessoa desbravadora e um homem visionário. Ela destacou que quando ele esteve em São Luís, em janeiro de 1955, instituiu a Sociedade Maranhense de Cultura Superior (Somacs) para ser a mantenedora da nascente da universidade. Passados alguns meses, cedeu o Palácio Cristo Rei como espaço de aulas da Faculdade de Filosofia e, dois anos depois, criou a Faculdade de Ciências Médicas do Maranhão. Em 1965, a fundação da Faculdade de Ciências Econômicas possibilitou a criação da Fundação Universidade do Maranhão que absorveu as atividades da Universidade Católica, a qual deu origem à Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em 1966. Dom Delgado foi um homem muito preocupada com a classe pobre do Maranhão, e a partir dessa preocupação ele fundou a cooperativa do Banco Rural do Maranhão que dava crédito as pessoas de baixo poder aquisitivo.

O jornalista Luís filho fez um questionamento para a produtora do JM. Na página 5 do Jornal do Maranhão, o destaque foi o movimento do Sagrado Coração de Jesus, ele perguntou como a pessoa pode fazer parte desse movimento, Lanny falou que a pessoa que tiver interessada em participar, precisa ter disponibilidade para fazer orações diárias, ter uma vida sacramental e unir a oração a ação e consequentemente caminhar em direção ao próximo. A jornalista Valéria Baldez perguntou sobre a Homenagem que o JM deste mês fez para Dom Geraldo, que faleceu em Maio desse ano. A produtora disse que Dom Geraldo era uma pessoa simples e generosa, ele de fato praticou a palavra e deixou um legado de amor, humildade, simplicidade e generosidade. Ele foi um pastor simples acessível e caridoso e um modelo para todos nós.

O comunicador Matheus do Brasil fez uma pergunta querendo saber mais detalhes sobre o Projeto Orquestrando o Brasil e a reabertura de museus e casas de cultura que está na página cultura e sociedade do JM. Lanny falou que o projeto visa o aperfeiçoamento de instrumentistas que vivem longe dos centros das grandes cidades e não têm acesso à escola de música, e com isso o Projeto Orquestrando, está oferecendo um curso de música online gratuito. No Jornal diz que o acervo de vídeo aulas do curso oferece capacitação e treinamento para os músicos, está disponível para todo o território nacional e já conta com mais de 600 alunos, incluindo o estado do Maranhão. Aos interessados em realizar um curso com certificado, basta fazer a inscrição através do site do Programa Orquestrando o Brasil. Ao final da entrevista Lanny Bedassi destacou o artigo de Ruy Palhano, psiquiatra e Doutor em Ciências da Saúde. Onde a pauta dele foi sobre viver bem, onde ele trás um pouco da história do Ayrton Senna que foi um exemplo de perseverança e fé. Ela finaliza falando que precisamos encontrar a felicidade nas pequenas coisas da vida.

 

Fonte: Rádio Educadora do Maranhão

Sobre Jornalismo

Verifique também

Lançado edital do Prêmio Fapema 2022

A Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA) …

Deixe um comentário