segunda-feira , 1 março 2021

Rio Branco decreta situação de emergência devido à cheia do Rio Acre

O prefeito de Rio Branco (AC), Tião Bocalom, decretou nesta última terça (16) situação de emergência. A cheia do Rio Acre já prejudica ao menos 13,7 mil pessoas e cerca de 200 pessoas tiveram que ser levadas para abrigos provisórios. O decreto permite ao Poder Público agilidade na aquisição de produtos e serviços necessários ao atendimento às populações afetadas, permitindo à prefeitura contratar serviços temporários e efetuar compras consideradas essenciais sem precisar de licitação.

O transbordamento do rio – o segundo registrado este mês – já atingiu pelo menos 2,9 mil residências de 24 bairros da capital, agravando a crise sanitária decorrente da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e o surto de dengue que a cidade já vinha enfrentando. Além disso, o reconhecimento da gravidade da situação possibilita aos gestores municipais pedir recursos emergenciais aos governos estaduais e federal para ações de assistência e de restabelecimento e manutenção de serviços essenciais.

Até a noite desta terça-feira, ao menos 24 bairros de Rio Branco já tinham sido afetados pela cheia do rio. Segundo o coordenador da Defesa Civil, Cláudio Falcão, ao menos 2.740 residências foram atingidas. “É uma situação grave que justifica a decretação de situação de emergência pela inundação do Rio Acre”. O governador do Acre, Gladson Cameli, a também declarou situação de emergência em áreas afetadas por inundações e enxurradas em Rio Branco e em mais nove cidades acrianas. Também por decreto, o governo estadual criou um gabinete de crise para integrar os esforços de diversas secretarias e órgãos de governo para atender não só às pessoas prejudicadas pelas enchentes e enxurradas, mas também pela covid-19 e pela dengue.

 

Fonte: Agência Brasil

Sobre Redação Educadora

Verifique também

Gana é primeiro país a receber vacinas financiadas pelo sistema Covax

O anúncio foi feito em comunicado conjunto pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o …

Deixe uma resposta